Economia

15/11/2018 00:50

Para desafogar leilões japoneses, Nissan anuncia linha de produção no Quênia

Fábrica de carros do Japão já possui unidades de produção na Nigéria e na África do Sul

A Nissan planeja começar a montar seus veículos no Quênia, reforçando os planos do governo do país africano de desenvolver uma montadora na maior economia da África Oriental.
A empresa japonesa é a última a mirar o mercado queniano, depois da alemã Volkswagen e da francesa Peugeot anunciarem ideias de inaugurar fábricas na mesma região.

Os projetos poderiam cortar os custos de veículos novos para consumidores em uma das economias mais desenvolvidas da África, onde a propriedade de carro para cada mil pessoas é um quarto da média global.

Fora da África do Sul, não há quase nenhuma montadora automotiva no continente, por causa de desafios como o volume de carros usados importados, poucas opções de financiamento e redes de estradas em más condições. Leilão de vans, carros, ônibus e caminhões produzidos no Japão enchem as ruas das capitais africanas de veículos de segunda mão, como recentemente mostrou o jornal Japan Times.

Os carros japoneses chegam à África com menos de 10 anos de uso e 100 mil quilômetros rodados, e os preços costumam ficar na média de US$ 4,7 mil (R$ 16 mil). Modelos usados japoneses são os preferidos dos importadores africanos pelas suas condições e durabilidade.

Cerca de 240 mil carros usados foram exportados do Japão para as nações do continente no ano passado, segundo o Ministério da Fazenda japonês. É mais do que dobro das vendas de uma década atrás, o que torna a África uma presença global de 20% no negócio. Como os dados não levam em conta veículos que custam menos de 200 mil ienes (R$ 6,3 mil), o número de vendas deve ser ainda maior.

A Nissan afirmou que vai inicialmente montar apenas caminhonetes com peças semidesmontadas (semi-knocked down kits, ou SKDs, na sigla em inglês), mas depende da aprovação do governo queniano em dispensar uma taxa de imposto de 25%.

"Nós estamos prontos para entrar no Quênia como uma montadora SKD", afirmou o diretor de operações para a África da Nissan, Jim Dando. "Estamos interessados em mudar muito rápido. Nós queremos fazer isso acontecer", completou em entrevista ao jornal Ásia Nikkei. A Volks, que retornou ao Quênia no ano passado depois de quatro décadas de ausência, está produzindo versões do Polo com peças desse tipo.

A Nissan vai submeter estudos de mercado ao governo queniano e, quando os acordos estiverem completos, vai começar a montar os veículos até o final de 2019 – caso receba sinal verde. A empresa trabalharia em uma fábrica já pronta que custaria cerca de US$ 20 milhões (R$ xxx), em vez de construir uma própria.

Investir em uma fábrica para peças completamente montadas (CKDs) iria requerer mais de US$ 100 milhões, enquanto uma fábrica nova custaria o dobro disso. A Nissan admite que prefere começar com veículos semiprontos enquanto constrói seu mercado na África e gera uma força de trabalho especializada, explicou Dando.

Quando estabilizada, a ideia é que a fábrica alimente todo o mercado da África Oriental, que hoje é servida apenas por importações de veículos da África do Sul e de outro modelos dos leilões japoneses. Além de uma montadora sul-africana, a Nissan possui uma unidade de produção na Nigéria.

Exportadores de carros usados baseados em Tóquio atuam em mais de 120 países no mundo, mas começaram seus negócios em Bahamas, Fiji e outros países menos dependentes do mercado de commodities. Isso ajudou as companhias a evitarem fechar no vermelho, mas o volume de exportações ainda caiu por causa do tamanho dessas economias.

Recentemente, a demanda por carros de segunda mão do Japão encolheu nos países africanos que exportam recursos para a China, resultando em uma queda nos preços dos automóveis, segundo o diário japonês Asian Review, que afirma que a indústria de carros usados da ilha nipônica foi jogada no acidente inesperado da lenta economia chinesa.

 


Todos os Direitos Reservados para Informa ABC

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo