Regional

05/12/2019 02:23 *Esta reportagem foi produzida por estagiários do Curso de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo

Maioria dos brasileiros pretende usar o 13º para quitar dívidas

Segundo pesquisa da Anefac, o cheque especial e o cartão de crédito estão entre as principais pendências

O fim de ano está próximo e a realidade para a maioria dos brasileiros é utilizar o 13º salário para quitar dívidas. Segundo pesquisa da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), 90% dos brasileiros pretendem usar o dinheiro para “sair do vermelho”.

Há dez anos a mesma pesquisa também revelou um aumento no número de pessoas que usaram o benefício para quitar dívidas, mas o percentual era menor do que hoje: 64%. Para o professor de economia Alexandre Borbely, o motivo da disparidade está diretamente relacionado à recessão enfrentada pelo país nos últimos anos. “Passamos por uma crise muito séria e o desemprego é grande”.

Borbely acrescenta que a renda dos brasileiros caiu nos últimos 10 anos e que esse é um dos motivos da população estar mais endividada. “Com a renda baixa o consumidor compra menos, mas se endivida mais”, explica o economista.

 Principais dívidas

Outro dado apontado pela pesquisa é que o cartão de crédito (49%), assim como o cheque especial (45%), estão entre as dívidas que os brasileiros pretendem quitar com o 13º neste final de ano. É o caso da organizadora de eventos Leticia Cavalcante, 23 anos, que pretendia utilizar o dinheiro para investir, mas não vai conseguir devido às contas atrasadas. 

Já a auxiliar administrativa Ligia Taeko, de 47 anos, relembra que usou o pagamento extra no ano passado para sanar as dívidas. “Paguei meu cartão de crédito e, em janeiro, a situação financeira já estava mais tranquila”. Ligia admite que em 2019 controlou melhor os gastos no cheque especial e no cartão de crédito. "Não vou utilizar o 13º para acertar as contas", comemora. 

Segundo o economista Alexandre Borbely, a melhor forma para amortizar as dívidas com juros altos é por meio de uma negociação direta com a instituição financeira. “O correntista precisa negociar e não aceitar a imposição dos bancos”. O economista também alerta que, caso o banco não reduza as taxas de juros, existe a possibilidade de buscar as cooperativas de crédito para acertar as contas. "Dê sempre prioridade ao pagamento de dívidas com maiores taxas de juros", completa.

 


RECEBAINFORMATIVOS

Receba novidades sobre vagas de emprego e notícias do site em seu e-mail

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.
Copyright 2010-2017 INFORMA ABC © Todos os direitos reservados.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo